Bruxismo: o que é verdade e o que é mito?

Estado emocional é um fator determinante? Problema pode causar dor de ouvido? Terapia pode ser uma solução? Especialista esclarece questões-chave sobre o assunto

O hábito de ranger os dentes, popularmente conhecido como bruxismo, apesar de não ser considerado uma doença, exige tratamento específico. Tratar paliativamente o assunto e não buscar o diagnóstico correto, entretanto, pode agravar ainda mais o problema.

Recente pesquisa da Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto (FORP) da USP revela que o bruxismo do sono causa diminuição da atividade elétrica dos músculos mastigatórios. Com isso, a qualidade de vida de quem sofre com o problema também tem significativa piora, já que, com o sono ruim, o número de vezes que a pessoa desperta durante a noite aumenta.

Doutor Alan Henrique Trimboli, especialista em cirurgia crânio-maxilo-facial do Hospital Santa Catarina (SP), elenca o que é verdade e o que é mito quando o assunto são as causas, sintomas e tratamentos do bruxismo:

  • Estado emocional pode agravar o problema? Verdade. O fator psicológico é o mais determinante. Nervosismo, questões pessoais e/ou profissionais, períodos de muito estresse, podem potencializar o bruxismo.
     
  • Adolescentes são os mais afetados pelo problema? Em partes. Embora atinja pessoas de todas as idades, o bruxismo é mais comum em pessoas de 15 a 40 anos. Estimativas revelam que cerca de 30 milhões de brasileiros desenvolvem o problema do sono.
     
  • Dor de ouvido pode ser confundida com a ‘dor do bruxismo’? Verdade. Como o canal auditivo fica próximo das mandíbulas, a dor ocasionada pelo bruxismo pode ser confundida com dor de ouvido. É preciso consultar um médico assim que notar qualquer incômodo na região.
     
  • Usar todas as noites a placa interoclusal para não apertar ou ranger os dentes é o único tratamento? Mito. É importante que o tratamento envolva diferentes profissionais. A placa de proteção, feita de acrílico e silicone, combate o efeito, não a causa. Avaliação psicológica para identificar a origem do problema, além de medicamentos, como calmantes e relaxantes musculares, também podem ser prescritos por médicos especializados no assunto. Outro ponto muito importante é tratar a dor e a inflamação na vigência do quadro agudo.

 

Sobre o Hospital Santa Catarina

O Hospital Santa Catarina, que completou 110 anos de fundação em 2016, prima pela excelência no atendimento seguro e humanizado. Referência de qualidade em serviços de saúde no Brasil, atende desde pequenos procedimentos até cirurgias de alta complexidade. A instituição filantrópica é parte da Associação Congregação de Santa Catarina, a qual compõe uma rede social que atua nos eixos da saúde, educação e assistência social. Congrega cerca de 17 mil colaboradores, distribuídos em diversas obras sociais e programas de apoio em oito Estados brasileiros.


Com infraestrutura moderna, equipamentos de última geração e profissionais altamente qualificados, o Hospital Santa Catarina dispõe de 240 leitos de internação, 75 leitos de UTI, 16 salas de cirurgia, cinco Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs neurológica, cardiológica, pediátrica, geral e multidisciplinar) e pronto atendimento 24 horas.
 

CDI ComunicaçãoHospital Santa CatarinaOdontologiaSaúde