Natação brasileira termina participação nos Jogos Rio 2016

Apesar da falta de pódio, nadadores batem recorde de finais olímpicas do país. CBDA destaca planejamento e ampliação da base 

 

14-08-2016

As competições da natação, um dos esportes que são carro-chefe das Olimpíadas, se encerraram neste sábado (14.08), com a despedida e mais um ouro do fenômeno Michael Phelps, na prova do 4x100m medley. A mesma disputa que marcou a oitava final do Brasil nos Jogos Rio 2016, quando o quarteto Guilherme Guido, João Gomes, Henrique Martins e Marcelo Chierighini chegou em sexto. Mais cedo, Etiene Medeiros disputou os 50m livre e terminou em oitavo.

 

Apesar da falta de pódios, o técnico da equipe, Alberto Silva, destacou o recorde de finais do Brasil na história olímpica. Os nadadores do país ainda participaram de dez semifinais e quebraram quatro recordes sul-americanos e um brasileiro. “A gente tem que dividir o balanço em duas partes. O trabalho foi feito, a gente evoluiu muito, em termos de organizar, planejar, poder contar com verba para realizar tudo isso. Chegamos em oito finais, o que é muito bom”, disse.

 

Ele também destacou a diversidade e a quantidade de provas e atletas em que os donos da casa marcaram presença. “A gente teve em outras Olimpíadas duas finais com o César Cielo, duas com o Thiago Pereira... Em Pequim 2008, tivemos uma com a Gabriela e outra com o Caio Márcio, quatro nadadores. Conseguimos um dos nossos objetivos, que é aumentar a nossa base. Relevante a gente ter trabalhado com uma massa maior de atletas, capacitado treinadores. Então realizamos esse trabalho. E a gente ainda poderia estar falando em mais quatro, cinco finais, que os atletas, antes de chegarem aqui, tinham tempo para alcançar”, prosseguiu.

 

Agora, o trabalho da equipe técnica será avaliar o que faltou para que as medalhas não viessem. “A nossa percepção é que a gente criou as oportunidades. Tivemos a chance de ganhar oito medalhas, primeiro temos que estar na final. Infelizmente não ganhamos medalhas, o que temos que avaliar”.

 

Para o supervisor executivo da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), Ricardo de Moura, o mais importante é que o caminho para o pódio foi criado e uma cultura esportiva esta se consolidando, representada por uma geração jovem, que ainda poderá trazer importantes resultados. De 33 nadadores do time brasileiro, 20 fizeram sua estreia olímpica. “Tivemos um ciclo muito produtivo, principalmente quando a gente fala de renovação. Jogos Olímpicos da Juventude e Campeonatos Mundiais. Tivemos dois recordistas mundiais juniores. Essa campanha está me lembrando a de 2004, quando não tivemos medalhas porque tivemos uma geração saindo e outra chegando. A sensação de não ter ganho a medalha é a de todo mundo. Queria que tivesse acontecido para homenagear esse público, que foi sensacional. Isso faz parte da criação de uma cultura esportiva, que ainda estamos construindo”, explicou.

 

Para seguir este caminho rumo ao pódio, o dirigente pretende realizar um número maior de intercâmbios internacionais para os atletas e buscar participação em competições de nível mais alto. “Esse é o grande problema que a gente tem no nosso continente. A gente domina e tem que sair toda hora. Isso é caro, mas vamos ter que fazer isso. Vamos fazer uma reunião com os clubes mais bem ranqueados para alinhar ideias. A gente esbarra numa coisa chamada cultura esportiva. Toda a sociedade vai para um lado e o atleta vai para outro. Essa cultura precisa ser valorizada. Não sabemos qual o cenário que teremos daqui pra frente, mas a real perspectiva é de estabelecer parcerias dentro da própria comunidade. Se estivermos fortes internamente fica mais fácil”, analisou Moura, que projeta como legado dos Jogos a distribuição dos equipamentos utilizados nas competições para diferentes estados do país.

 

Futuro que também passa pelas braçadas de Etiene Medeiros, que voltou a colocar as mulheres na final dos 50m. “Estou completamente sem palavras, chorei um pouco. Para mim, foi uma volta por cima, um momento único, entrei na prova sonhando. A parte psicológica é fundamental em competição. Hoje fechei raia, como se diz na gíria - chegar em último entre os oito numa prova -, mas com um gosto diferente, de finalista olímpica. Temos agora que descansar a mente, o desgaste mental aqui é absurdo, o físico ainda vai, pois estamos preparados. Daqui a pouco tem o Troféu Finkel, que é seletiva para o Mundial de Curta em dezembro e a cabeça tem que dar uma descansada. Eu penso em Tóquio 2020, mas há muita água ainda pra rolar pela frente e nós atletas temos que ter consciência disso”, concluiu.

 

RESULTADOS

 

Finais

 

100m peito — João Gomes Júnior — 59s31 — 5º

 

4x100m livre — Marcelo Chierighini, Nicolas Nilo, Gabriel Santos, João de Lucca — 3m13s21 — 5º

 

50m livre - Bruno Fratus - 21s79 - 6º

 

4x100 medley - Guilherme Guido, João Gomes, Henrique Martins e Marcelo Chierighini - 3m32s84 - 6º

 

100m peito — Felipe França Silva — 59s38 - 7º

 

200m medley - Thiago Pereira - 1m58s02 - 7º

 

100m livre — Marcelo Chierighini — 48s41 — 8º

 

50m livre - Etiene Medeiros - 24s09 - 8º

 

Semifinais

 

200m medley — Henrique Rodrigues — 9º

 

200m livre — Manuella Lyrio — 1m57s43 — 12º

 

200m borboleta — Leonardo de Deus — 1m56s77 — 13º

 

200m costas — Leonardo de Deus — 1m57s67 — 13º

 

200m borboleta — Kaio Márcio — 1m57s45 — 14º

 

100m costas — Guilherme Guido — 54s16 — 14º

 

100m borboleta — Daiene Dias — 58s52 — 14ª

 

50m livre - Ítalo Duarte - 22s05 - 15º

 

100m borboleta — Daynara de Paula — 58s65 — 16ª

 

100m livre — Etiene Medeiros — 54s56 — 16ª

 

Recordes

 

Sul-americano - Etiene Medeiros - 50m livre (24s45)

 

Sul-americano - Felipe França Silva - 100m peito (59s01)

 

Sul-americano - Manuella Lyrio - 200m livre (1m57s28)

 

Sul-americano - 4x200m livre F (Manuella Lyrio, Jessica Cavalheiro, Gabi Roncatto e Larissa Oliveira) - 7m55s68

 

Brasileiro - Leonardo de Deus - 200m costas (1m57s00)

 

 

 

 

 

Esportes AquáticosEsportes OlímpicosFSB ComunicaçãoMinisterio Do Esporte