Pokémon GO! O que capturamos?

 

 

Se você ainda não ouviu falar de Pokémon Go (o que é bastante improvável) já deve ter percebido que, de uns dias para cá, tem muita gente andando com o celular na mão, olhando pra cima e pra baixo e clicando na tela. Estão todos jogando este novo jogo.

O Pokémon Go é uma febre mundial, teve seu lançamento mundial em Julho nos Estados Unidos, Austrália e Nova Zelândia e, aos poucos, está sendo disponibilizado em todo o Mundo. O objetivo do jogo é capturar a maior quantidade de Pokémons possível, os monstrinhos estão espalhados pela cidade e, para encontra-los, você deve persegui-los e encontra-los ao seu redor pela tela de seu smartphone. O aplicativo é gratuito e conta com duas tecnologias para funcionar: A Geo-localização baseada em seu GPS e no conceito de realidade aumentada, que sobrepõe imagens virtuais ao mundo real.

O que nos chama a atenção neste assunto não é apenas o impacto que um aplicativo, baseado em um jogo dos anos 90 está causando no dia a dia da cidade em tão pouco tempo, mas as possibilidades que esta nova tecnologia traz para o mercado.

Quer ver uma prova disso? Faça uma pesquisa no google trends (www.google.com/trends/ ) e veja a quantidade de buscas por “PowerBank”, o pico ocorre logo depois do lançamento do jogo no mundo. O motivo é simples, como o aplicativo roda no Smartphone e uso quase todos os recursos do aparelho, a bateria é consumida muito rapidamente, para continuar jogando o gamer tem duas opções: Encontrar uma tomada e carregar seu celular ou conecta-lo à um PowerBank (dispositivo que dá uma carga extra ao smartphone em qualquer lugar). Os e-commerces já estão lucrando com isto.

Um outro exemplo, aparentemente mais distante do mundo da tecnologia: Tive a oportunidade de conversar com o vendedor de coco de um parque de São Paulo e de acordo com ele, o movimento nunca foi tão grande durante a semana. “Vou mudar o nome da barraca para Água de Cocomon”, me disse o vendedor.

Se o jogo já tem efeito na venda de e-commerces e de coco no parque, imagine como este novo tipo de tecnologia irá alterar o jeito como consumimos e estruturamos dados no mundo digital! Quando o usuário instala o aplicativo em seu celular, dá permissão à: Lista de contatos, acesso preciso ao GPS, leitura de todo o conteúdo gravado no dispositivo, acesso à sua rede, entre outros. Faça as contas. Com acesso à todos os dados e alterando o dia a dia dos usuários, o potencial é enorme!

Em uma previsão bastante realista, em poucos meses, os dados dos usuários como: onde moram, por onde andam, com que velocidade se deslocam, quanto tempo demoram para chegar no trabalho, quem são seus amigos, onde trabalham, quais suas preferências, quem são seus colegas no escritório, etc. Poderão ser disponibilizados para uma infinidade de aplicações comerciais.

Com tudo isso, conseguiremos oferecer um powerbank para os usuários quando a bateria estiver acabando, desconto na água de coco quando o usuário entrar no carro e estiver indo para o parque ou uma peça de comunicação dirigida de nossa marca para o cliente certo exatamente no momento certo.

No final, neste novo universo os usuários capturam os Pokémons e os Pokémons capturam os seus dados. Água de coco, PowerBank, Big Data, Pokémon e depois? Whats next?

 

João Lee

Head de CRM e Plataformas na ID

 

 

Sobre Agência ID

Criada em 2007, a ID integra o grupo Omnicom e está alinhada no Brasil via TBWAWorldwide. Liderada por Camila Costa, CEO; a ID é focada em planejamento integrado, criação, mídia, performance, CRM, plataformas, soluções digitais e execução de ações inovadoras multiplataformas, com o objetivo de conectar pessoas e marcas. Voltada para o futuro, a agência instiga o mercado a se perguntar “What’s Next?” (“O que vem depois?”) - do digital, da integração, do cross, do live, do content e do tempo real. Entre os clientes que atende, estão adidas, Banco Santander, Cerpo, Childhood, Friboi, H.Olhos, Onofre Agora, entre outros.

 

 

 

 

 

 

 

Agencia IDGamesNR-7 ComunicaçãoOpinião e Artigos