Seis fatos que prejudicam a saúde do coração

Somente no Brasil, acontecem aproximadamente 720 paradas cardíacas por dia, segundo dados da SOCESP. Médico cardiologista elenca que atitudes simples podem atenuar problemas cardiológicos


As doenças do coração são consideradas as principais causas de morte no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, registros mostram que ocorre um óbito a cada dois minutos causado por este tipo de enfermidade e, de acordo com dados da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (SOCESP), cerca de 720 pessoas sofrem paradas cardíacas por dia. Apesar dos números alarmantes, muitos não se atentam aos sintomas do organismo de que a saúde do coração não está em dia.

Doutor Alessandro Machado, cardiologista do Hospital Santa Catarina (SP), explica que "atitudes simples, como caminhada e atividade física regular, aliadas a uma dieta equilibrada contendo frutas e vegetais, podem promover boa saúde e preservar o coração".

O especialista elenca seis fatos que prejudicam (muito) a saúde do coração e que, se não tomadas as devidas providências, podem potencializar muitos os riscos de morte:
 

  • Qualidade de vida: principalmente nas grandes cidades o estresse pode evoluir para ansiedade e depressão. Estes maus momentos forçam o coração a trabalhar mais, diminuindo sua 'vida útil' e podem trazer problemas sérios, como infartos fulminantes, principalmente para pessoas após os 40 anos de idade;
     
  • Evitar a obesidade: dividida em visceral (predominante em homens e considerada mais dura) e superficial (atingindo com mais frequência as mulheres que não realizam atividade física ou foram mães recentemente), a gordura abdominal é um fator de risco e pode duplicar as chances de a pessoa sofrer um infarto. A obesidade abdominal está relacionada com o aumento do colesterol e com maior incidência de diabetes;
     
  • Alimentação: a agitação e a correria do dia a dia levam muitas pessoas a se descuidarem de uma alimentação saudável. Ingerir frutas e vegetais com frequência, assim como evitar o consumo excessivo de açúcar, contribui para manutenção de um peso corporal adequado e controla os níveis de açúcar do sangue. Além disso, uma dieta pobre em gordura animal ajuda a baixar o colesterol ruim e pode atenuar consideravelmente os riscos de sofrer problemas cardíacos. Vale ressaltar, ainda, evitar o excesso de consumo de sal para o melhor controle da pressão arterial;
     
  • Exercícios físicos regulares: praticar atividade física ao menos três vezes por semana ajuda a prevenir diversas doenças do coração. O exercício físico regular é ótimo para o corpo e a mente: diminui as tensões do dia a dia, proporciona melhora da capacidade cardiorrespiratória, ajuda a manter os níveis de açúcar do sangue dentro do normal e é fundamental para a manutenção do peso corpóreo;
     
  • Álcool com moderação: nenhum médico deve estimular o consumo de bebida alcoólica como método de prevenção de doenças cardíacas, pois a bebida pode levar ao vício e à dependência ou potencializar o efeito de remédios como calmantes e, além disso, o consumo excessivo pode levar à dilatação do coração. A OMS recomenda que para pessoas saudáveis o consumo de álcool não deve exceder 30 gramas/dias. O vinho, em particular, possui flavonóides, substâncias benéficas que aumentam o bom colesterol (HDL), porém, é aconselhável não ultrapassar o limite recomendado;
     
  • Analise sempre a origem das dores: não é normal ter dores pelo corpo, por isso, independentemente da origem da dor, prevenção é sempre a melhor opção. Dores no coração, incômodos no peito durante ou após a prática de exercícios, náuseas, dores que se iniciam no peito e irradiam para o pescoço ou para os braços são fatores muito preocupantes. Fique atento!

 

Sobre o Hospital Santa Catarina

O Hospital Santa Catarina, que completou 110 anos de fundação em 2016, prima pela excelência no atendimento seguro e humanizado. Referência de qualidade em serviços de saúde no Brasil, atende desde pequenos procedimentos até cirurgias de alta complexidade. A instituição filantrópica é parte da Associação Congregação de Santa Catarina, a qual compõe uma rede social que atua nos eixos da saúde, educação e assistência social. Congrega cerca de 17 mil colaboradores, distribuídos em diversas obras sociais e programas de apoio em oito Estados brasileiros.


Com infraestrutura moderna, equipamentos de última geração e profissionais altamente qualificados, o Hospital Santa Catarina dispõe de 240 leitos de internação, 75 leitos de UTI, 16 salas de cirurgia, cinco Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs neurológica, cardiológica, pediátrica, geral e multidisciplinar) e pronto atendimento 24 horas.
 

CDI ComunicaçãoHospital Santa CatarinaSaúdeSaúde Pública