Explorar as 7 inteligências é estratégia para aprender um idioma

 Por que aplicar o mesmo método de aprendizagem para todos se cada pessoa tem uma personalidade diferente? Especialista no ensino de inglês defende que adaptar metodologias para diferentes perfis de alunos é o melhor caminho para um aprendizado efetivo 

Na década de 80, o psicólogo americano Howard Gardner, da Universidade de Harvard, desenvolveu a Teoria das Inteligências Múltiplas, que afirma que o cérebro do homem possui sete inteligências: verbal, musical, lógica, espacial, cinestésica, interpessoal e intrapessoal. Embora seja comprovado que a maioria das pessoas possui, em média, uma ou duas inteligências aprimoradas, muitas escolas utilizam um único método de ensino para todos.  Segundo o professor de inglês Nivio Cadorin, da Seven Idiomas, isso explica o motivo do processo de aprendizagem de uma segunda língua ser tão enfadonho para os brasileiros, o que faz com que muitos desistam no meio do caminho.

Cadorin afirma que não existe fórmula mágica para aprender uma língua estrangeira. Porém, um método de ensino sob medida e completo pode ser determinante no aprendizado. “Cada pessoa tem o seu estilo e aprende de uma maneira predominante. É preciso adaptar as atividades aos diversos tipos de aprendizagem e interesse dos alunos, para que todos tenham as mesmas oportunidades, mas com estratégias de ensino diferentes. Isso gera motivação e melhor aproveitamento das aulas”, explica, destacando que o maior erro das escolas de idiomas tradicionais é aplicar um modelo engessado, que fere o processo natural de aprendizado. “É importante investir em aulas práticas, que favoreçam a aquisição do vocabulário, ao mesmo tempo em que ampliem a capacidade de comunicação intuitiva do aluno. Proporcionar exercícios prazerosos, que desafiem e estimulem a criatividade, a interação, o movimento e o humor”, avalia o professor, ressaltando que expor os alunos a interações externas, como levá-los parques, livrarias ou até mesmo ao supermercado pode ser bem interessante e gerar maior aprendizado.

Como abordar cada inteligência?

Verbal Linguística – Alguns alunos gostam de falar, de se expressar, de se fazer ouvir. Eles têm uma habilidade natural de conversação. Para este perfil, a dica é criar debates e discussões em sala, para que os estudantes façam proveito dessas habilidades. A atividade também serve para desenvolver e aprimorar a desenvoltura nos outros alunos.

Musical – É fato que quando colocamos música e ritmo em uma fala ou regra, a probabilidade de o aluno esquecer o que aprendeu é quase nula. Para os  estudantes que têm essa inteligência mais aprimorada, é possível transformar um diálogo em música, assim eles cantam e memorizam sons, ritmos, etc.

Lógica – Alguns alunos aprendem melhor quando lidam com fórmulas. Neste perfil, problematizamos uma estrutura. Então eles discutem e descobrem as regras para aquela determinada estrutura. Em seguida partimos para a prática.

Espacial/Visual – Para alguns alunos, ouvir regras e fórmulas não é suficiente, então essa abordagem não funciona. Quando temos alunos com esse tipo de inteligência mais destacado, é preciso transformar o conteúdo a ser trabalhado de forma que se torne visual. Trabalhamos com figuras, desenhos, cores. Neste caso, o bom uso da lousa pelo professor é muito importante.

Cinestésica – Para alunos com este perfil o ensino deve ser bem dinâmico, estimulando os alunos a participem de jogos e brincadeiras, como mímica. Isso os ajuda a praticar a função linguística e a memorizarem vocabulário. É bacana criar uma situação real em sala, como comprar roupas etc.

Interpessoal – Alunos com destaque para a inteligência interpessoal interagem com os colegas ao máximo. Por isso, é importante fazer com que eles conversem com todos os colegas da sala para praticar o idioma, não somente com quem está ao lado.

Intrapessoal – Essa inteligência tem muito a ver com estratégia. O aluno não tem a obrigação de saber de tudo á todo momento, mas ele precisa saber o que fazer quando enfrenta uma situação em que ele precisa pensar, analisar ou fazer inferências para poder se comunicar.

Sobre a Seven Idiomas

A Seven Idiomas é uma rede de cursos de inglês e espanhol, presente no estado de São Paulo. Foi fundada em 1987 e adotou formato de franquia em 1995. A Rede Seven Idiomas trabalha com parâmetros internacionais de excelência e oferece cursos nas unidades, em empresas, colégios, além de ser um Centro Autorizado Oficial de exames e desenvolvimento docente   Cambridge English  (proficiência em inglês). Com 80 mil alunos matriculados desde sua fundação, a Seven Idiomas hoje busca expandir em cidades do interior paulista e Rio de Janeiro (capital).  

Atitude ComunicaçãoEducaçãoJuvenilSeven Idiomas