Pesquisa inédita sobre exposição solar e fotoproteção

O sol é o principal fator ambiental que interage com a saúde do Homem. Para saber como o brasileiro se relaciona com ele, a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) apresenta pesquisa inédita sobre hábitos de exposição solar e fotoproteção, realizada pelo Datafolha. A pesquisa mostra que nenhum dos brasileiros se protege de forma completa (evitando o sol das 10h às 16h, usando chapéu, óculos, protetor solar e sombrinha ou guarda-sol) no seu dia a dia e somente 23% usam o protetor diariamente como recomendado pelos dermatologistas. 

Quando questionados sobre a proteção solar nos momentos de lazer, 4% dos entrevistados (representando cerca de 6 milhões de brasileiros) não se protegem de forma alguma quando estão na praia, piscina,  cachoeira, banho de rio ou lago, isto é, quando estão diretamente expostos aos raios e com roupas de banho, com mais partes do corpo expostas.

 Já o principal horário de exposição dos brasileiros na praia ou piscina é das 10 às 15h (44%); ou seja, o pior horário para pegar sol. “além de não se protegerem ainda se expõe ao sol no pior horário”, destaca Sérgio Schalka, Coordenador da Pesquisa e do Consenso de Fotoproteção da SBD.  

Jovens desprotegidos

 Dos entrevistados que têm filhos até 15 anos, 20% dessas crianças e adolescentes não se protegem de forma alguma nas atividades de lazer. Se a análise incluir as classes D/E, esse percentual sobe para 35%. “Isso é preocupante, pois sabemos que a exposição até os 18 anos é a mais prejudicial à saúde”, aponta o dermatologista. 

Uso do protetor solar nas atividades de lazer é maior entre as mulheres

As mulheres usam significativamente mais o protetor solar nas atividades de lazer (79%) do que os homens (52%), enquanto que os brasileiros de menor escolaridade e nível sócio-econômico são os que menos usam o protetor solar (50%) na praia ou piscina. 

A  pesquisa 

De 23 a 27 de agosto o Datafolha avaliou os hábitos de fotoproteção de 2069 mil brasileiros, em 130 municípios. Segundo Sérgio Schalka, Coordenador da Pesquisa e do Consenso de Fotoproteção da Sociedade Brasileira de Dermatologia, “a pesquisa é importante para que possamos tomar iniciativas mais sólidas de prevenção ao câncer da pele. Ainda temos grande parcela da população que não se previne adequadamente, precisamos reverter este quadro”, afirma o Dermatologista.

FSB ComunicaçãoSaúdeSaúde PúblicaSBD