Federação alerta sobre problemas gastroenterológicos

Dia Mundial da Saúde: Doenças gastrointestinais também estão ligadas a depressão

  

 

  

Estima-se que 350 milhões de pessoas em todo o mundo sofram de depressão e somente 50% dos casos são diagnosticados. A doença ainda aumenta a incidência de problemas no aparelho digestivo

  

 

  

A campanha da Organização Mundial da Saúde (OMS) para o Dia Mundial da Saúde de 2017, comemorado dia 7 de abril, trata sobre a depressão, transtorno que pode afetar pessoas de qualquer idade em qualquer etapa da vida. Com o lema “Let’stalk” (“Vamos conversar”, em português), a iniciativa reforça que existem formas de prevenir a depressão e também de tratá-la, considerando que ela pode levar a graves consequências.

  

 

  

O que muitas pessoas não sabem é que doenças gastrointestinais também estão ligadas a depressão. Por isso, a Federação Brasileira de Gastroenterologia (FBG), sociedade sem fins lucrativos que apoia e desenvolve o conhecimento científico da especialidade no Brasil, também aproveita a data para alertar a população, já que no País, em média, somente 50% dos casos de depressão são diagnosticados.  Dr. Eduardo Usuy, médico gastroenterologista da FBG, afirma que os médicos precisam estar atentos porque a depressão aumenta a incidência de doenças do aparelho digestivo, principalmente aquelas ligadas ao funcionamento, as chamadas doenças funcionais do aparelho digestivo.

  

 

  

“Os problemas gastroenterológicos estão entre os mais comuns atendidos na população de uma forma geral. Algumas doenças, como o refluxo, contam com dados que apontam que pelo menos 1/3 das pessoas vai sofrer dessa doença em algum momento na vida. Se somarmos isso a outras doenças, como gastrite, úlcera, diarreia e hepatite, é possível dizer que grande parte de toda a população vai sofrer de alguma doença gastrointestinal em algum momento”, explica o Dr. Usuy.

  

 

  

A Síndrome do Intestino Irritável constitui-se em uma doença na qual a prevalência de transtornos psicológicos é elevada. Os pacientes com essa síndrome tendem a possuir fortes sintomas psicológicos que incluem ansiedade, tensão, irritabilidade, insônia e depressão, cuja incidência é alta e, inclusive, pode afetar o curso da síndrome. De acordo com especialistas, essa síndrome é muito mais comum em pacientes com depressão do que em não depressivos.

  

 

  

Cerca de 50% dos pacientes que procuram atendimento gastroenterológico sofrem de problemas funcionais, ou seja, não apresentam lesão orgânica no aparelho digestivo demonstrável pelos métodos propedêuticos atuais. Entre as doenças funcionais, a Síndrome do Intestino Irritável é a mais frequente, porém outras doenças, como dispepsia funcional, diarreia funcional, transtornos funcionais da vesícula biliar e do esfíncter de Oddi, refluxo gastresofágico como um transtorno funcional, síndrome do vômito cíclico e síndrome da flatulência também estão ligadas, de alguma forma, a depressão.

  

 

  

Globalmente, estima-se que 350 milhões de pessoas de todas as idades sofrem de depressão, sendo que a doença é a principal causa de incapacidade em todo o mundo e contribui de forma muito importante para a carga global de doenças. “Conversar abertamente sobre a depressão é o primeiro passo para entender melhor o assunto e reduzir o estigma associado a ele. Assim, cada vez mais pessoas poderão procurar ajuda”, finaliza Dr. Usuy.

  

 

CM ComFBGSaúdeSaúde Pública