SP-Arte ganha a cidade e se consolida como festival de arte
 

SP_Arte 2017

Público na SP-Arte 2017, no Pavilhão da Bienal - Crédito: Jéssica Mangaba

A 13ª edição da SP-Arte aconteceu de 5 a 9 de abril no Pavilhão da Bienal, em São Paulo, com a participação de 134 celebradas galerias nacionais e internacionais de arte e 25 galerias brasileiras de design. Ao longo de cinco dias, 30 mil pessoas passaram pelo Pavilhão – número 10% maior que o do ano passado. Neste ano, estrearam as visitas guiadas da SP-Arte, oferecidas gratuitamente a mais de mil pessoas.

“Há muito para comemorar – fizemos um trabalho duro, focado em pluralidade e diversidade, no que existe de mais novo em arte. Foi uma edição voltada para múltiplas manifestações artísticas, que teve recorde de público e inclusive crescimento nos negócios”, afirma Fernanda Feitosa, diretora e fundadora da SP-Arte.

Novidades

O novo setor Repertório foi um dos grandes destaques desta edição. Com curadoria de Jacopo Visconti Crivelli, o espaço apresentou artistas a partir de um recorte cronológico e reuniu criadores considerados fundamentais para a compreensão das práticas artísticas atuais.

Buscou-se, portanto, incluir tanto artistas brasileiros com trajetórias sólidas, mas ainda relativamente pouco conhecidos pelo grande público – como Rubem Valentim, Carlos Vergara e Niobe Xandó –, quanto artistas internacionais que, apesar de sua importância, ainda não tiveram visibilidade suficiente no Brasil. Desse grupo se destacam, por exemplo, Lothar Baumgarten, Richard Long e Pino Pascali.

Uma das grandes novidades trazidas pela 13ª edição SP-Arte foram as visitas guiadas temáticas. Ao longo dos cinco dias do evento, mais de mil  pessoas participaram das visitas, oferecidas gratuitamente, que abordaram temas diversos, tais como arte contemporânea brasileira e internacional, moderna e concreta, mulheres na arte, circuitos específicos dos setores Solo, Repertório e Design, além de uma visita que buscou destacar jovens artistas e galerias em ascensão.

A SP-Arte e a Associação Cultural Videobrasil renovaram a parceria e apresentaram ao público a exposição Nada levarei quando morrer, aqueles que me devem cobrarei no inferno, que transbordou o Pavilhão da Bienal e segue até 17 de junho no Galpão VB. Inspirada nas obras do cineasta italiano Pier Paolo Pasolini – refinado observador da cultura de seu tempo que traz em seus trabalhos uma dura crítica à extinção de práticas culturais em função do desenvolvimento –, a mostra apresenta trabalhos de grandes figuras nacionais como Claudia Andujar e Miguel Rio Branco.

Consolidação

Em 2017, a SP-Arte se assumiu como festival, lugar que vinha ocupando ao longo dos últimos anos. Entre os dias 30 de março e 9 de abril, São Paulo recebeu mais de 180 eventos voltados à arte e ao design. Somaram-se ao epicentro dessa celebração, que é o evento no Pavilhão da Bienal, uma série de aberturas de exposições, visitas guiadas em galerias e museus, performances e lançamentos de livros.

Nos dias 3 e 4 de abril, a capital paulista abrigou a segunda edição do Gallery Night, iniciativa que reuniu mais de 50 galerias e espaços culturais paulistanos com o intuito de impulsionar o mundo das artes da cidade nos dias que antecederam o festival.

Ao longo das duas noites, os apreciadores da arte puderam aproveitar a efervescência cultural da cidade ao circular por seus bairros, visitando uma série de espaços que abriram suas portas até mais tarde para receber atividades culturais. 

Grande novidade da edição anterior, o setor de Design ganhou sua segunda edição neste ano, ampliando o diálogo da arte com design e arquitetura.

O setor apresentou ainda uma renomada seleção de artistas e designers, com coleções como Mangue, assinada pelo artista e designer Ary Perez, além de uma série de peças de expoentes do mobiliário moderno brasileiro, dentre os quais Zanine Caldas, Sergio Rodrigues, Joaquim Tenreiro e Lina Bo Bardi.

As icônicas tapeçarias da galeria Passado Composto Século XX, obras-primas de nomes internacionais como Magdalena Abakanowicz, Jacques Douchez e Norberto Nicola, também chamaram a atenção do público no 3º pavimento do Pavilhão. Ainda houve lançamentos de mobiliário na Ovo e de peças em vidro e quartzo na Jacqueline Terpins.

O setor de Design recebeu, pela primeira vez, um espaço dedicado a peças de mobiliário assinadas por consagrados arquitetos brasileiros, entre os quais Isay Weinfeld, Arthur de Mattos Casas, Dado Castello Branco e Lia Siqueira. Em parceria com o escritório MMBB, Paulo Mendes da Rocha apresentou ao público da SP-Arte, em primeira mão, os móveis criados especialmente para a unidade do Sesc 24 de Maio, que também tem a sua assinatura.

Destaques

A 13ª edição do evento foi marcada pela estreia de 24 galerias do Brasil e do exterior no Pavilhão da Bienal. Além das galerias brasileiras, marcaram presença nomes de diversas partes do mundo, como Alemanha, Áustria, Cuba, Espanha, Estados Unidos, França, Inglaterra, Itália, Japão, México e Portugal.

Cheim&Read, de Nova York, foi um dos destaques entre as estreantes.  A galeria trouxe obras de três artistas mulheres centrais na arte da metade do século XX: Louise Bourgeois, Lynda Benglis e Joan Mitchell. A Taka Ishii, do Japão, especializada em arte japonesa, destacou em seu estande a fotografia do país, com imagens assinadas por fotógrafos como Shoji Ueda e Kansuke Yamamoto. A francesa Thaddaeus Ropac, uma escultura de grande porte do alemão Georg Baselitz; a David Zwirner esteve presente com obras de Yayoi Kusama, Dan Flavin e Fred Sandback; a Continua, com obras de Michellangelo Pistoleto, Ai Weiwei, Carlos Garaicoa e Shilpa Gupta. A galeria Neugerriemschneider trouxe obras de Rirkrit Tiravanija, que fez uma ação de sucesso com camisetas, além de Pae White, Renata Lucas e Olafur Eliasson. Paulo Darzé realizou um solo com Mestre Didi, enquanto a Stephan Friedman apresentou um solo de Andreas Eriksson. Na Vermelho os artistas foram Cinthia Marchele, Gisela Motta, Jonathas de Andrade, Dora Longo Bahia e Chiara Banfi. Em sua estreia, a Cavalo, do Rio de Janeiro, veio com Pedro Caetano, Thora Dolven Balke e Alvaro Seixas.

Como de costume, o evento foi marcado também pela forte presença da pintura moderna e contemporânea, com obras de Alfredo Volpi, Antonio Bandeira, Cândido Portinari, Helio Oiticica, Iberê Camargo, Lygia Clark, Tomie Ohtake, Tunga, Mira Schendel, Sergio Camargo, Adriana Varejão, Beatriz Milhazes e outros nomes, com importantes obras expostas pelo Pavilhão.

Uma das novidades mais aguardadas na cena cultural paulistana em 2017, a Japan House, que deve abrir suas portas na Avenida Paulista ainda em maio deste ano, deu uma prévia do novo espaço de cultura do governo nipônico durante a SP-Arte. Sob curadoria de Marcello Dantas, estiveram presentes artistas de peso como Hiroshi Sugimoto, Kasuko Miyamoto, Kishio Suga e Yoshitomo Nara.

Performances

Fruto de uma parceria com o Centro Universitário Belas Artes de São Paulo, a SP-Arte trouxe, pelo terceiro ano consecutivo, um setor dedicado exclusivamente a performances. Os artistas participantes foram selecionados a partir de uma chamada pública, que contou com desenvolvimento de projeto feito por Paula Garcia, curadora independente e colaboradora artística do Marina Abramović Institute. Os artistas ocuparam diversos espaços do Pavilhão ao longo do evento, apresentando no meio do público muitas vezes.

Paula Garcia foi também uma das responsáveis criativas pelo projeto da Melissa Meio-Fio, que trouxe três projetos performáticos que buscaram a experiência de artistas de fora do centro. Trama São Paulo, de Alexandre Heberte; BlasFêmea, de Linn da Quebrada; e Mulheres Pretas Independentes da Favela (MPIF), das irmãs gêmeas Tasha e Tracie Okereke.

Presença Internacional

Profissionais

A SP-Arte chamou atenção pelo crescimento da presença estrangeira, com colecionadores internacionais vindos especialmente para participar do evento, como o casal Marc e Livia Straus e Galila Barzilai.

Os nomes de profissionais internacionais incluíram Tanya Barson, curadora chefe do MACBA (Barcelona), Michael Wellen, curador da Tate (Londres), Gabriel Perez Barreiro, curador da Bienal de São Paulo, e Carolin Kochling, curadora do The Power Plant (Toronto).

Lançamentos

Importante plataforma de impulsionamento editorial nas artes, a SP-Arte recebeu em seu lounge o lançamento recorde de 28 publicações. O evento reuniu ainda 13 destacadas editoras e nomes do mercado de arte brasileiro e estrangeiro, com a estreia de Desapê, Paisagem/Taschen, Plana e Ubu. Entre os títulos estão Museum in a Box (editora Desapê), do artista Marcel Duchamp; Sonia Gomes (Cobogó), da artista plástica que dá nome à obra; e a Acaso e necessidade (Ateliê Fidalga), de Sandra Cinto.

A 13ª edição contou ainda com a presença do Fiteiro Cultural, projeto de Fabiana Barros inspirado nos quiosques de comércio popular de João Pessoa. Posicionado longo na entrada do Pavilhão, foi responsável pela promoção de uma série de lançamentos, entre os quais Disorder (Poligrafa), de Caio Reisewitz, e Pronto para morar (Platen Press Print Shop), de Regina Silveira.

No setor de Design, a Editora Bei apresentou um recorte de sua coleção de bancos indígenas de madeira, produzidos por tribos de diversas partes do Brasil. Durante a SP-Arte, lançou uma publicação que compila esses trabalhos singulares e bastante diversos entre si.

Talks

Realizado em parceria com a revista Arte!Brasileiros, o Talks discutiu as tendências do mercado criativo, os pontos de encontro entre o design e a arte e as inúmeras formas de expressões artísticas. Os encontros, que reuniram mais de 400 pessoas, rolaram nos dias 6 e 7 de abril, no Lounge Bienal, no subsolo do Pavilhão.

Concebido há três anos, o programa foi especialmente criado para debater alguns dos tópicos mais relevantes do campo das artes visuais na contemporaneidade, com especialistas de cultura, colecionadores, historiadores, investidores, galeristas e artistas. Nesta edição, participaram nomes como Dan Fox, editor da Frieze Magazine, além de Lorenzo Mammi, curador de programação e eventos do IMS.

Participaram ainda de uma conversa em torno do design contemporâneo Giancarlo Latorraca, diretor do Museu da Casa Brasileira; Lissa Carmona, sócia e curadora da galeria de design Etel; Maria Cecilia Loschiavo, professora da USP; com mediação de Kristina Parsons, especialista em design do Artsy. O ciclo de debates foi encerrado com uma discussão acerca do grafite e da rua como espaço de expressão, no qual discutiram a jornalista Gabriela Longman, o filósofo Nelson Brissac e o curador Baixo Ribeiro.

Prêmios

Em parceria com o Illy, a SP-Arte entregou o Prêmio Illy Sustain Art à artista Clara Ianni, da galeria Vermelho. Iniciada em 2007, a premiação, que concede R$ 20 mil ao selecionado, tem como intuito mostrar uma nova geração da arte contemporânea em países em desenvolvimento, destacando jovens artistas brasileiros, escolhidos no contexto de feiras e exposições.

Alice Shintani, da Galeria Marcelo Guarnieri, e Regina Parra, da Galeria Millan, foram as ganhadoras do Prêmio de Residência SP-Arte de 2017. Nesta edição, Alice irá para a Delfina Foundation, em Londres, enquanto Regina passará uma temporada na Residency Unlimited (RU), em Nova York – ambas com duração de dois meses.

O artista Ivan Grilo, da Casa Triângulo, foi o vencedor de um prêmio dado pela Fundação Marcos Amaro durante a SP-Arte. A premiação, no valor de R$ 25 mil, teve sua estreia nessa edição e visa dar suporte a artistas que participaram do evento e que tenham se destacado em sua produção criativa.

Doações

O programa de doações a instituições avançou nesse ano, com o número recorde de 23 obras doadas ao MAR, Pinacoteca e Masp.

1.    Composição 12 (1962), de Rubem Valentim (Galeria Almeida e Dale), doação de Ana Dale, Antonio Almeida e Carlos Dale Jr. ao Masp;

2.    Autorretrato (1973), de José Antonio da Silva (Galeria Almeida e Dale), doação da Galeria Almeida e Dale ao MAR;

3.    Vista (2016), de Bruno Danley (Galeria Nara Roesler), doação da Galeria Almeida e Dale à Pinacoteca do Estado;

4.    Sem título (2016), de Bruno Danley (Galeria Nara Roesler), doação anônima ao MAR;

5.    Mixirica (2015), de Artur Lescher (Galeria Nara Roesler), doação de Daniela e Hélio Seibel, por intermédio da APC e da Galeria Nara Roesler, à Pinacoteca do Estado;

6.    EXLP11 (2017), de Henrique Oliveira (Galeria Millan), doação de Cleusa Garfinkel à Pinacoteca do Estado;

7.    Imagem (2016), de Vanderlei Lopes (Galeria Marília Razuk), doação de Renata Paula à Pinacoteca do Estado;

8.    Unicórnio (2015), de Eduardo Berliner (Casa Triângulo), doação de Iguatemi São Paulo à Pinacoteca do Estado;

9.    Lição de Mimese (2004-2006), de Débora Bolsoni (Galeria Athena Contemporânea), doação do Iguatemi São Paulo à Pinacoteca do Estado;

10. Duplo singular (2015), de Gisela Motta e Leandro Lima (Galeria Vermelho), do Iguatemi São Paulo à Pinacoteca do Estado;

11.Dedinho (2016), de Pedro Caetano (Galeria Cavalo), doação da Galeria Cavalo ao MAR;

12.Suíte construtiva (2016), de Sergio Fingerman (Gabinete de Arte k2o), doação anônima ao MAR;

13.Isca (2017), de Galeno (Gabinete de Arte k2O), doação do Gabinete de Arte k2o ao MAR;

14.Sem título (2015-2016), de Ricardo Homen (Gabinete de Arte k2o), doação de Gabinete de Arte k2o e Ricardo Homen ao MAR;

15.Sem título (1975), de Almandrade (Gabinete de Arte k2o), doação de Renata Paula ao MAR;

16.Open bar (2016), de Raphael Escobar (Galeria Leme), doação de Carolina de Zagottis ao MAR;

17.Town&Country (2016), de Raphael Escobar (Galeria Leme), doação da Galeria Leme ao MAR;

18.Experiência concreta #2 (diálogo de mãos), 2017, de Jaime Lauriano (Galeria Leme), doação de Cleusa Garfinkel ao MAR;

19. Space Poetry IV, da série Inner Telescope (2017), de Eduardo Kac (Galeria Luciana Caravello), doação de Cleusa Garfinkel ao MAR;

20.Articulando princípios #11 (2017), de Ricardo Villa (Galeria Luciana Caravello), doação de Luciana Caravello ao MAR;

21.Coleção de 3 quartas de medidas de grãos ou farinha, Minas Gerais, séc. XIX (Sandra e Marcio), doação de Ação Fundo Z ao MAR;

22.Coleção de 6 peças miniaturas de saramenhas para crianças (Sandra e Marcio), doação de Ação Fundo Z ao MAR;

23.Pendant de cadeiras do Vale do Jequitinhonha (Sandra e Marcio), doação de Ação Fundo Z ao MAR.

Setor Geral

Alexander Gray, Nova York / Almeida e Dale, São Paulo / AM Galeria, Belo Horizonte / André Viana, Nova York / Andrea Rehder, São Paulo / Anita Schwartz, Rio de Janeiro / Arte 57, São Paulo / ArtEEdições, São Paulo / Athena, Rio de Janeiro / Athena Contemporânea, Rio de Janeiro / Baró, São Paulo / Bergamin & Gomide, São Paulo / Blau Projects, São Paulo  / Bolsa de Arte, Porto Alegre e São Paulo / Berenice Arvani, São Paulo / Babel, São Paulo / Carbono, São Paulo / Casa Nova, São Paulo / Casa Triângulo, São Paulo / Celma Albuquerque, Belo Horizonte / Cheim & Read, Nova York / Colecionador, Rio de Janeiro / Continua, Beijing, Le Moulin e San Gimignano / Dan Contemporânea, São Paulo / Dan, São Paulo / David Zwirner, Nova York / El Museu, Bogotá / Elba Benítez, Madri  / Eduardo Fernandes, São Paulo / Estação, São Paulo / Fólio, São Paulo / Fernando Pradilla, Madrid / Fortes D'Aloia & Gabriel, São Paulo / Frente, São Paulo / Gregor Podnar, Berlin / Gustavo Rebello, Rio de Janeiro / Hilda Araújo, São Paulo  / Ipanema, Rio de Janeiro  / K2o, Brasília / Kubikgallery, Porto / kurimanzutto, Mexico City / Leme, São Paulo / Luisa Strina, São Paulo / Lume, São Paulo / Lemos de Sá, Nova Lima / Luciana Brito, São Paulo / Luciana Caravello, Rio de Janeiro/  LURIXS:, Rio de Janeiro / Misiones, Montevideo / Marcelo Guarnieri, Ribeirão Preto, Rio de Janeiro e São Paulo / Marilia Razuk, São Paulo / Mario Cohen, São Paulo /  Millan, São Paulo / Murilo Castro, Belo Horizonte / Manoel Macedo, Belo Horizonte / Marcia Barrozo do Amaral, Rio de Janeiro / Mendes Wood DM, São Paulo / Mercedes Viegas, Rio de Janeiro / Mul.ti.plo   Polígrafa, Rio de Janeiro e Barcelona / Nara Roesler, Nova York, Rio de Janeiro e São Paulo / neugerriemschneider, Berlim / Oscar Cruz, São Paulo / Other Criteria, Londres / Paulo Darzé, Salvador / Paulo Kuczynski, São Paulo / Piero Atchugarry, Pueblo Garzón / Pinakotheke, Fortaleza, Rio de Janeiro e São Paulo / Rabieh, São Paulo / Raquel Arnaud, São Paulo / Thaddaeus Ropac, Paris / Referência, Brasília / Ricardo Camargo, São Paulo / Roberto Alban, Salvador / Ronie Mesquita, Rio de Janeiro / SUR, Montevideo / Silvia Cintra Box4, Rio de Janeiro / SIM, Curitiba / Simões de Assis, Curitiba / Steiner, São Paulo / Stephen Friedman, Londres / StudioNobrega, São Paulo / Vermelho, São Paulo / White Cube, Hong Kong e Londres / Ybacatu, Curitiba / Zipper, São Paulo

Setor Solo

Baginski, Lisboa / BFA (Boatos Fine Arts), São Paulo / Central, São Paulo / Emma Thomas, São Paulo / espaivisor, Valência / Francisco Fino, Lisboa / KOW, Berlim / LAMB Arts, Londres / Lisa Kandlhofer, Viena / Madragoa, Lisboa / Plan B, Berlim / Portas Vilaseca, Rio de Janeiro / Richard Saltoun, Londres / , São Paulo / Superfície, São Paulo / White Rainbow, Londres

Showcase

Aura, Porto Alegre / Boiler, Curitiba / C. Galeria, Rio de Janeiro / Cavalo, Rio de Janeiro / Choque Cultural, São Paulo / Collage Habana, Havana / Fotospot, São Paulo / Inox, Rio de Janeiro / Luis Maluf, São Paulo / Mamute, Porto Alegre / Mezanino, São Paulo / Movimento, Rio de Janeiro / Periscópio, Belo Horizonte / Room 8, São Paulo / Rosa Barbosa, São Paulo / Sergio Gonçalves, Rio de Janeiro / Via Thorey, Vitória

Repertório

A Gentil Carioca, Rio de Janeiro / Alexander Gray, Nova York / Almeida e Dale, São Paulo / Studio d'Arte Campaiola, Roma / Continua, San Gimignano / Filomena Soares, Lisboa / Franco Noero e Marian Goodman, Turim, Nova York e Paris / Gregor Podnar, Berlim / Jaqueline Martins, São Paulo / Lisson, Londres, Milan, Nova York e Cingapura / Nobrega, São Paulo / P420, Bolonha / Paci Contemporary, Brescia e Deer's Port / Ronie Mesquita, Rio de Janeiro / Taka Ishii, Tóquio

Japan House

Blum & Poe, Los Angeles, Nova York e Tóquio / Koyanagi, Tóquio / Mizuma, Cingapura, Tóquio, Pequim / Ota, Tokyo / SCAI THE BATHHOUSE, Tóquio / TAI Moderns, Santa Fé / White Rainbow, Londres

Lista de galerias de Design

Apartamento 61, São Paulo / Artemobilia, São Paulo / Ary Perez, São Paulo / Belas Artes, São Paulo / Bolsa de Arte // Estudio Mameluca, Rio de Janeiro / By Kamy, São Paulo / ETEL, São Paulo / Firma Casa, São Paulo / Herança Cultural, São Paulo / Hugo França, São Paulo / Itamar Musse, Salvador / Jacqueline Terpins, São Paulo / Legado Arte, São Paulo / LLUSSÁ, São Paulo / Mercado Moderno, Rio de Janeiro / Ovo, São Paulo Passado Composto Século XX, São Paulo / Paulo Alves, São Paulo / Pé Palito, Belo Horizonte / PROTOTYP&, São Paulo / Rafael Moraes, São Paulo / Resplendor, São Paulo / Sandra & Márcio, Belo Horizonte / Teo, São Paulo / Thomaz Saavedra, São Paulo

 

A4eHolofoteArtes PlásticasNegóciosSp Arte