Chocolate não é o vilão da páscoa, explica dermatologista
Clique na imagem para fazer o Download...
Alta | Web

Dermatologista Gilvan Alves explica a relação do doce com a saúde da pele

Impossível não relacionar a chegada da páscoa com a alta temporada de chocolates. Um mito comum nesta época é acreditar que comer chocolates impulsiona o surgimento de espinhas. O médico Gilvan Alves, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, assegura que saber escolher qual chocolate ingerir é fundamental para manter a saúde da pele.
 
"O chocolate não dá espinha, ele não é o vilão. O que estimula a produção de óleo das glândulas sebáceas, piorando o quadro de tem tendência, é o açúcar refinado e o leite de vaca presentes no chocolate", explica o dermatologista.
 
Para manter a pele saudável e sem problemas, a indicação médica é priorizar sempre os chocolates com maior concentração de cacau e menos leite, como os mais amargos, por exemplo. "Se você comer um cacau inteiro, não vai surgir nada de ruim na sua pele. Isso é a prova de que chocolate não causa espinha, mas sim os ingredientes que ele pode conter", ressalta. 
 
Considerando o açúcar e o leite como os causadores de problemas, o médico explica ainda que o chocolate branco não é recomendado para quem quer evitar transtornos com a qualidade da pele. Isso por que o chocolate branco não contém cacau, e sim manteiga de cacau, açúcar e leite.
 
Apesar de não existirem estudos que comprovem a relação entre comer chocolate e ter espinhas, o médico alerta que são necessários cuidados especiais para quem já tem propensão a acne. "Quem já possui um quadro de acne deve evitar a ingestão de doces que contenham alto teor de açúcar e leite de vaca", orienta Gilvan.
AEPIT_Dr Gilvan AlvesObjetiva ComunicaçãoSaúdeSaúde Pública