Produtos vendidos como saudáveis podem ser enganação
Pixabay
Clique na imagem para fazer o Download...
 
Alta | Web

 

Médico Theo Webert desmistifica fama de alimentos que prometem ser aliados de uma dieta equilibrada

 

  

A desinformação ainda é a maior inimiga quando o assunto é alimentação realmente saudável. Propagandas enganosas ou até tendenciosas acabam levando o consumidor a acreditar erroneamente sobre a qualidade nutricional de determinados produtos. O alerta é feito pelo médico Theo Webert, que atua em nutrologia e qualidade de vida.

 

“Não é raro encontrar as cozinhas e despensas de casas recheadas com guloseimas e lanches tidos como saudáveis, mas que na verdade podem ser verdadeiros vilões em dietas balanceadas”, explica o doutor. Segundo ele, muitos pacientes que mantém uma alimentação equilibrada rigorosa acabam sendo pegos de surpresa ao descobrirem a real composição de produtos vendidos como “fitness”.

  

O médico elenca alguns dos alimentos que podem enganar os consumidores que procuram ter atenção maior com a alimentação:

  

 

Cereais

Os cereais matinais, por exemplo, podem liderar a lista de falsos alimentos saudáveis. E não são apenas os cereais açucarados, aqueles procurados por crianças. “Outros, como granolas, que são misturadas com uvas-passas, possuem um índice glicêmico muito alto e podem potencializar o nível de açúcar no sangue, o que não é bom para o equilíbrio corporal. A solução é sempre conferir a composição de cada marca”, explica o médico.

Theo Webert afirma que farinhas de aveia instantânea e trigo soprado possuem também índices glicêmicos muito elevados. “Se for para ingerir cereais, escolha um rico em fibras e com nozes. A gordura e a fibra retardarão o impacto da insulina no sangue”, orienta.

 

Fruta seca

Segundo o especialista, frutas secas também carregam um alto impacto glicêmico. “Frutas secos, se não forem orgânicas, carregam uma grande concentração de pesticidas e de produtos químicos”, disse. O médico explica que a tendência das pessoas é sempre procurar as frutas secas, mas que deveriam optar pelas frutas desidratadas. “O melhor a fazer é certificar-se de que os frutos secos são orgânicos. Além disso, deve-se misturar seu consumo com gordura boa para retardar a glicemia na corrente sanguínea”, diz.

 

Produtos sem glúten

O médico ainda orienta sobre os produtos de glúten reve. Agora você vê maior espaço de prateleira em cadeias de mercearias nacionais dedicadas a produtos sem glúten. “O problema é que ninguém tem prestando atenção aos ingredientes. A solução de muitas indústrias para colocar mais sabor a esses produtors é colocar um monte de açúcar, subprodutos da soja, produtos químicos e ainda conservantes”, frisa.

 

Proteína em barras

Algumas barras de proteína acabam enganando, principalmente pelo sabor açucarado, químico. “Devemos investigar a composição de cada uma delas, pois várias possuem edulcorantes diferentes e soja na lista de ingredientes. Arrisco a dizer que muitas delas são brownies com embalagens disfarçadas. O melhor é sempre seguir a prescrição de seu profissional”.

 

 

 

 

Dr TheoNutriçãoObjetiva ComunicaçãoSaúde